Fim de semana: aqui e acolá

Por Ana Inês
repórter mãe de Íris Davi e Caio

A diversão dos pais e até o esporte de domingo pode sim virar brincadeira de criança e programa de família. Foi assim nesse final de semana, em Recife, com a Corrida dos Fortes e em Brasília, com o Festival de Cultura Popular.

De Recife, Agnes, designer-mãe de Ian e Iasmin nos manda notícias:
“aí vai um pedacinho da nossa manhã divertida! A corrida foi ótima. Cláudio foi acompanhando as crianças durante o percurso, estimulando e tentando desviar o cansaço num sol super quente das 9h da manhâ. Eles correram 3km. O percurso da Corrida dos Fortes foi do Forte do Brum ao Forte das 5 Pontas, passando por pontos turísticos do Recife Antigo. Foi ótimo. Apesar de muito cansados, eles ficaram felizes com a participação e por ganharem uma medalha de recordação. Teve lanchinho depois, cada um ganhou uma squeeze. Iasmin chorou na linha de chegada, acho que nunca tinha sentido um cansaço ou uma emoção igual! Eles fizeram esse percurso em 21min. As primeiras crianças, já acostumadas com a corrida, chegaram em torno de 13 a 15min. Valeu a experiência, eles já querem correr de novo.”

A competição, que já está no roteiro das corridas de rua para maratonistas experientes de todo o mundo, também tem espaço e percurso especial para atletas iniciantes e meninos e meninas cheios de energia, como Ian e Iasmin de 6 anos de idade (Iasmin é autora da obra em nossa matinê “mulher pensando”).
A largada foi no Forte do Brum, entre Recife e Olinda, passando por vários pontos históricos da cidade no trajeto oficial de 10 km.

Com outro tom, também foi da terra dos brincantes que veio a inspiração para o fim de semana no cerrado. Aqui, no coração do Brasil, bateu o ritmo do maracatu, do coco de roda e dos espetáculos de rua. Conhecemos também o Calango Voador – que deixou Caio assustado, Íris entusiamada e Davi encantado. Um verdadeiro espetáculo circense com resgate popular (nada de cirque du soleil) algo pra se vê de perto, se sentir na pele, no próprio picadeiro, como personagem de uma literatura de cordel, de um auto de Ariano Suassuna e do saldoso carnaval.

Com certeza nossos programas-família, aqui e acolá, nos deram força pra firmar raizes e começar a semana.

Anúncios

Nossos Pequenos Cidadãos

Por Ana Inês
repórter mãe
de Íris, Davi e Caio

Com cara de brincadeira, mas falando de coisa séria, ontem foi o dia da 2ª Sessão Plenária Mirim da Câmara dos Deputados em Brasília. Pelo menos 400 crianças estiveram no Plenário da Câmara para votar projetos de lei de sua própria autoria. Das 211 propostas enviadas à Casa, três foram votadas e aprovadas por parlamentares de até 13 anos de idade. A idéia da sessão mirim não é fazer as crianças vêem como funciona o Plenário e sim fazê-lo funcionar com as próprias mãos, ou melhor, idéias.

A sessão teve de tudo, inclusive painel eletrônico e composição infantil de mesa diretora para liderar os trabalhos. O primeiro Projeto de Lei aprovado é de autoria de Karinne Souza Mendonça, 11 anos, estudante do 6º ano (5ª série), em Taguatinga-DF. No PL 32/07, Karina defende o direito das crianças não trabalharem e afirma que elas devem ficar na escola, em período integral, com toda assistência à educação, alimentação e saúde.

Cada um trouxe um pouco de sua realidade e por isso Mallena Nogueira Lira, 13 anos, aluna do 8º ano (7ª série) no município de Iracema, no Ceará, propôs sobre a proibição de paus-de-arara como transporte escolar, o que ainda é bastante comum nos rincões brasileiros. O PL 64/07 foi o segundo a ser votado e aprovado em plenário lotado. Já a deputada mirim Larissa Nicolau Fernandes trouxe o PL 12/07 aprovado por 301 votos a favor da igualdade de direitos perante a Lei para cidadãos comuns, políticos, juizes e promotores. Larissa tem 12 anos e é aluna da 5ª série em Belo Horizonte – MG.

As notícias do parlamento mirim, os jogos e as informações apresentadas a nossos pequenos cidadãos podem ser acessados no Portal do Plenarinho. O interessante das matérias é que elas trazem diversos assuntos de maneira bem simples – tem até um dicionário para explicar algo que parece mais complicado para o universo infantil, como o próprio ceonceito de política. O Portal é ótimo para aprender, ensinar, levar à sala de aula e discutir em casa. Íris (foto) se diverte e aprende muito quando entra no plenarinho e se sente a própria parlamentar.