A doce acolhida da Mãe Natureza

Camping Pachamama, na Chapada dos Veadeiros, contagia 

pela alegria, bem-estar e pelo gosto de aventura.

Por Ana Inês e Daniel Cruz
 

Navegando pela internet na véspera da Páscoa, avistamos o site do Camping Pachamama. De pronto, avisamos para os desconfiados Davi, Caio e Íris que iríamos acampar na Chapada dos Veadeiros, em barracas no meio do cerrado; almoçar macarrão com atum em lata; e que apenas não comeríamos comida de caça porque não é permitido pela a Lei ambiental. Todos se entreolharam, arrumaram suas mochilas, suspiraram e partimos em silêncio para Chapada. Foram aproximadamente 230km de Brasília curtindo Jack Johnson e Cazuza, pela estrada. Pela janela do carro, um belo visual do cerrado com o contrate dos lobos e veados atropelados no caminho: sinal do verdadeiro mundo “selvagem”.


Quando chegamos ao Camping, plantado no pé do morro da baleia – entre o Município de Alto Paraíso e o vilarejo de São Jorge – fomos recebidos pelo amável casal, Erick e Kelly, uma das melhores pessoas que já conhecemos nessa caminhada da vida. Os desajeitados campistas de primeira viagem e a experiente Kelly montaram nossa tenda Iglu e, já famintos, partimos para saborear a Matula do Seu Waldomiro – uma comida típica de Goiás, que os nativos levavam para suas viagens embalada na folha da bananeira.  À base de carinho e quatro tipos de carne, farinha, feijão branco ou amarelo, arroz, macaxeira e tomate, a matula é uma ótima opção para quem chega ou passa pela estrada. Dica do Erick e da Kelly e agora, nossa também. O rancho da matula fica a 800 metros do Pachamama.

Vale da Lua 

De bem com a vida, fomos para o Vale da Lua. Um local maravilhoso e também perigoso, principalmente para crianças. Ao passar de longos anos, a água esculpiu crateras nas rochas, onde ela desaparece, aparece e forma uma piscina natural. Na trilha do Vale, flores dão as boas vindas e araras azuis rasgam o Céu com seus gritos e cores. No entanto, alerta com as fendas entre as rochas. Cuidado Crianças!!! De volta ao Camping, tomamos uma ducha quente (um luxo do campping, meio à natureza selvagem), Erick acende a fogueira e assamos queijo coalho na brasa.

Astronomia e Yoga

A noite cai, a Lua surge majestosa com aula de astronomia. Kelly ensina a localização dos planetas e constelações. Pela manhã, os campistas praticam yoga com ela para iniciar o dia com mais flexibilidade, força e relaxamento, físico e mental.

Cachoeira  Loquinhas e Almécegas

O camping fica 24Km da fazenda Loquinhas, que permite a visita nos seus  13 poços de água esmeralda. Um verdadeiro santuário para todas as idades. É bom levar, pelo menos, água e frutas, uma ótima sugestão para passar o dia.  Na Almécegas, há 9 KM do camping, curtimos as duas cachoeiras.  A primeira, para quem gostar de uma caminhada mais radical é a dica certa. Um paredão com queda d’água proporciona um verdadeiro visual selvagem. Bom para banho. A segunda, o carro pode estacionar perto da cachoeira, que tem um poço maravilhoso e uma plataforma de pedra dentro da piscina natural. Excelente banho.

Família Pachamama

Voltando ao camping, desfrutamos os fins da tarde com as crianças. Em um confortável gramado de mil metros quadrados, eles pularam corda, jogaram futebol, correram… as lanternas fazem um sucesso à noite, transformam-se em espadas de luz. Os pais contam histórias, riem, e a cozinha comunitária vira um espaço gastronômico onde comidas e bebidas são socializadas na roda de bate papo.  O espaço fica voltado para o Morro da Baleia. De vez em quando ela se mexe: esguicha água pelo espiráculo (dizemos isso enquanto chove ou venta forte). É o morro e seus mistérios. Como dizem os navegadores quando avistam o mamífero em alto mar: Baleiaaaaaaaa!!!  Gigante e dócil, ela nos proteges dos
maus espíritos!!! Obrigado Erick, Valeu Kelly.

 

Anúncios